Imprimir esta página

Vereadores ampliam debate sobre Projeto que trata do parto humanizado

Avalie este item
(0 votos)
Terça, 09 Agosto 2016 11:42

Uma reunião na manhã de hoje (9) na antessala do Plenário da Câmara permitiu avançar nos debates em torno do Projeto de Lei 56/2016, que dispõe sobre a obrigatoriedade da presença de “doulas” durante o parto, nas maternidades de Cascavel.
Com o objetivo foi obter informações de todas as partes interessadas, boa parte das quais irão embasar emendas ao Projeto, participaram o presidente da Comissão de Saúde e Assistência Social, Pedro Martendal, Jorge Bocasanta (membro) e o vereador Professor Paulino, que na semana passada promoveu uma audiência pública sobre o tema.
Também participaram e debateram o Projeto, representantes de diversos setores, como Nadir Ville (Hospital Universitário), Thais Zanela (doula), Orlando Silveira Bastos (médico, Hospital São Lucas), Alessandra dos Reis (Coren – Conselho de Enfermagem), Maria Bággio (enfermeira e professora da Unioeste) e Marcos Lima (pai).
De forma geral, ficou evidenciado o consenso de que todas as partes são favoráveis a medidas que possam ampliar o processo de parto humanizado, com a necessidade de que os hospitais públicos e privados estejam devidamente inseridos no processo. A íntegra do projeto original, ainda sem emendas, pode ser visualizada em http://10.0.100.170:8080/sapl/sapl_documentos/materia/9583_texto_integral

O QUE É UMA DOULA?
De origem grega, o nome "doula" significa “mulher que serve” e seu papel é oferecer suporte físico e emocional à parturiente, possibilitando que esta se sinta segura e tranquila para um dos grandes momentos da sua vida: o nascimento de um filho. A doula não substitui o acompanhante (nem pode tomar decisões em nome da mulher), não tem formação em obstetrícia e sua presença permite que as enfermeiras possam se concentrar nas atividades próprias de sua formação.
No entanto, a doula está plenamente apta para oferecer alívio para as dores das contrações por meio de métodos não farmacológicos, como massagens, técnicas de relaxamento e respiração, exercícios, banhos e imersão em água quente, e dicas de posições durante o trabalho de parto e o parto. Além disso, oferece apoio emocional e encoraja a mulher a se lembrar de seu dom natural de dar a luz.
Diversos estudos científicos apontam para os benefícios relativos à presença desta profissional no pré-natal e no parto, entre elas: redução de 50% nos índices de cesáreas e de 40% no uso de fórceps, maior sucesso na amamentação, e queda nos casos de problemas psicológicos no pós-parto, tais como depressão, ansiedade e baixo autoestima. Apesar de tantas vantagens, a maioria dos estabelecimentos hospitalares hesitam em permitir que a doula acompanhe a parturiente, obrigando-lhe a escolher entre a presença da profissional ou do companheiro ou de algum familiar.
(Assessoria de Imprensa/CMC)

Debate aconteceu na manhã de hoje, na Câmara|||Debate aconteceu na manhã de hoje, na Câmara|||Foto: Flávio Ulsenheimer/CMC|Foto: Flávio Ulsenheimer/CMC||